Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Mais um alegre blog...?!

Enfeitado , disfarçando; traduzindo: as horas, o tempo que passa, inexorávelmente, e sentindo os sentidos da minha vida e de tudo e todos os que minha alma toca e abrange. Bem vindos a este meu Universo.

Mais um alegre blog...?!

Enfeitado , disfarçando; traduzindo: as horas, o tempo que passa, inexorávelmente, e sentindo os sentidos da minha vida e de tudo e todos os que minha alma toca e abrange. Bem vindos a este meu Universo.

Lohen & Lomax - Live On

 
 

Lohen & Lomax - Live On            (lyrics extracted by me)
 

 

 


Live on
here is your life
uh ah ah we live on
 
tell me sometimes to believe
that the world is just a ride
all the hate that promise costs
is filled full of shame
 
chorus :
uh ah go on live on
uh ah move on live on
uh ah ah you and i
uh ah ah  we live on
live on!
 
try to find the treasures in your life
which helps others to survive
just lift up your head
all the bad can't be unsaid
 
chorus
 
live on and d'ont give up
d'ont give up, live on!
live on!
live on and d'ont give up
live on, live on! 
just live on!
 
here is your life
i delighted on you
is wonderful to see you smile
in your finest life
 
you are the one without fear
just look, you will find someone near
show him the way of life
is not enough just for a wild
 
uh ah go on live on
uh ah move on live on
 
uh ah ah you and i
just you and i
uh ah ah  live on!
we live on
yes we live on
uh ah ah live on! 
you and i
just you and i
uh ah ah  live on!
we live on
yes we live on
uh ah ah we live on

 
 
 

 

Lugares

 

 23-12-94                        
 
Austero, integro! Cônscio! Que lugar aquele!
Foi num dia tanto quanto os outros. Que dia estrambólico aquele! Do eirado olhei para as estrelas e vi nevoeiro, ele fazia parte de mim nesse dia, ele estava de acordo com o ego. Eia! Desci até ao eido. O vento soprava mansamente do norte empurrando-me para o sul. O tempo não mudava, o levador não vinha. Estava ansioso. A anciã perorou as suas experimentadas palavras.
                Indagando dolentemente, imaginava alegremente aquela dolaire da rapariga. Olhava para a paisagem e contrastava-a para onde ia, para o coração do país, onde há movimento, auspiciando o que se passaria na grande aorta.
                Finámos o caminho depois de uma longa paragem. Lá estava a auspiciosa imagem! Tão diferente quão diferente já fora! Enfim, velhos passados. Num automatismo acenei mesquinhamente. Lá veio o gaivinha sempre leve como um pássaro, com as suas graças vezeiras! Bom homem! Assim fosse o outro Zé-povinho.
                Encontrando-nos na viatura, partimos. Passa um, passa dois e … <<Eh carapau! Por onde vamos nós?>> Que vezada! <<Ora, bota p’rá frente>> que o destino está marcado. Grande passeata para começar. Chegados à moradia cada um seguiu para seu lado. Fomos comer. Fomos à arrecadação e… fomos embora! Austeros. Trepidação, trepidação. A paisagem era tépida. A udometria previa e ela caia. A jornada foi quebrada pelo lanche. Mas rapidamente lá chegámos. <<Ufa>>- para ela que nem sabia as baixas pressões ainda estavam para vir – mas tudo passou.
                Natal citadino aquele. Cidade que no Verão está repleta de damas e donzelas, nas ruelas só havia malhas escuras, corpos de sobretudos que queriam era estar no valedouro apartamento e não ali. Li e vi televisão radical. Que calor bacanal! Dormia-se, levantava-se e comia-se. Esta trindade não era fixe. Fomos dar à trincadeira, no entanto, não estava cool, nem frio – que tontice a minha, ficar assim -. Por fim, pouca terra pouca terra, lá foi cada um para o seu ninho no seu caminho.
                Há  música! Ah, música! Feel the rain! Sweet rain! Jogava no cp e bem vês porquê. Lá fora começaram a cair lágrimas das nuvens. E elas, melancólicas, choraram e choraram até à Páscoa o feliz Natal.
                Ah! Outra vez! Aquele sussurro: << Para o ano…>> - Não percebi o resto. Mas decerto era coisa boa e eu fiquei ansioso, ansioso por chegar esse tempo. Ver meninas com sutiã, deleitosas, lindas de morrer, sensuais, carnais. Suspirei sustenidamente.
                Ah! E aquelas solenes festas! É que foi dançar o sol – e – dó! Pena que eu fiquei à soleira da porta, olhando, cabisbaixo, disfórico, a tentar compreender, sobreolhando com certo desdém, desalinhado. <<Desembucha homem! Vem dançar!>> Fico em rodeio.
                Novamente eles vieram. Eu estava mais contrito da minha anterior condição, sempre estou. Com eles vinha mais alguém que me transcendia. Novas atitudes, novas figuras, mas ele… sempre o mesmo? Não, tinha diferença. Ou será que a diferença dele era a minha?
                Abimitado e conformado, no entanto, acordou um novo dia. A Páscoa deu lugar às altas pressões que têm aclarado as almas e aquecido a paisagem. A alma fica imaculada e ela fica sensual. O choro abluiu a alma e deu calma, mormente. Que tempo voluptuoso este. Que sensualista, que carácter, que temperamento! A sentença está dada, mais um ano na cagada. Que regalo!
               

Síntese

 

 
 
                A síntese torna-se mais complexa que o todo. Um acto simples dá sentido aquilo que não o conseguiu dar toda uma história. Há todo um sentido que jamais se conseguirá sintetizar.
                Nesta luta constante pela vida, tudo é válido, quando na nossa é tocada. Atropelam-se amizades, sentimentos e altruísmos. Assim é o lado animal do homem. Mas há o lado racional. Há o lado da inteligência que tende a reprimir toda a animalidade e a tentar atingir o dom de Deus, querendo ser deusitos. E se o dom se torna oposição à vida, se a qualidade se torna em desprestígio, então não o chamaremos dom, chamaremos… sei lá, pobreza, excesso, deficiência, arrogância, infelicidade, debilidade, doença, lassidão, trilho de morte - Morte: A síntese perfeita, o acto simples, o sentido de uma vida que se sintetiza, o fim de um caminho que irá florescer quando a semente tiver sido lançada à terra. E mesmo já do lado de lá, uma lágrima do lado de cá rega todas essas sementes para que elas cresçam -. Através da racionalidade o homem tenta destruir a animalidade. Depois de emergir do silêncio da vida, ele tenta voltar a esse silêncio, mas não consegue, a racionalidade não o deixa, o caminho é irretrocedível. Mas encontra um outro silêncio, o silêncio da morte. A síntese desse misterioso caminho de verdade e de vida, a perfeita síntese.

ImTranslator - Tradutor (extensão para Firefox e Chrome) - Translator (extension for Firefox and Chrome)

Firefox: Firefox Extension Chrome: Chrome Extension

Pesquisar

 

Player de Musica com Lista

Como Melhorar performance do blog ! - Blog best performance, how to Do It ! How to TRANSLATE!

Este Blog não contem malware, apenas contadores de analytics pelo que funcionará 100% perfeitamente em qualquer browser que não contenha bloqueadores. Apesar da atualização do Blog e da sua melhor compatibilidade com todos os browsers, tenham atenção às opções de configuração, caso tenham extras como No script, ghostery, Adblock ou outros deste tipo, o ideal é permitir tudo na página. FOR TRANSLATION INSTALL ---> ImTranslator: For other languages to translate, for firefox and Chrome and Opera, use the extra/addon ''ImTranslator''; Se querem ver a página com DARK MODE usem o extra/addon: ''Dark Background and Light Text'' disponivel para Firefox e Chrome. Ativem também o MODO DARK dos BROWSERS

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

DOWNLOAD DO BLOG

Façam o download dos conteudos do Blog em formato xml, incorporado em .zip Atualizado até 18 de Maio de 2021: https://drive.google.com/file/d/11wzX0OvyufoxKh0wV7YX04dJTrHF9f-8/view?usp=sharing

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D

Mais sobre mim

foto do autor

G

Calendário

Junho 2008

D S T Q Q S S
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
2930

subscrever feeds