Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Mais um alegre blog...?!

Enfeitado , disfarçando; traduzindo: as horas, o tempo que passa, inexorávelmente, e sentindo os sentidos da minha vida e de tudo e todos os que minha alma toca e abrange. Bem vindos a este meu Universo.

Mais um alegre blog...?!

Enfeitado , disfarçando; traduzindo: as horas, o tempo que passa, inexorávelmente, e sentindo os sentidos da minha vida e de tudo e todos os que minha alma toca e abrange. Bem vindos a este meu Universo.

Dias [8 de Março de 2002]

    

            “Ouvre la porte et rêve....”, Daniel Hechter. Abro as portas do passado e revejo, entre névoas vespertinas, aquilo que sou e aquilo que fui. A primeira ideia que me surge , frente aos meus olhos, era o ideal utópico que me movia: a busca da perfeição. - Talvez um objectivo demasiado alto e que me tem saído caro. Quis subir sem olhar ao equilíbrio, à estabilidade dessa subida e às tantas caí nas malhas tecidas pela vicissitude da vida, na dura rocha da realidade - Pensei que seguia o caminho certo, e falhei.

       Tudo tinha vida para mim, as penedias dos campos, o ar que respirava, a terra que absorvia com o olhar, só que... na realidade, não tinha amigos. Não convivi suficientemente com pessoas -Só consigo pensar negativamente...tenho que ver as coisas boas da vida. Mas em cada veleidade surge-me a antinomia.

   Recomecemos, sem pressas - Tudo o que escrevo é como alguém que me fala, apesar de isto ser um solilóquio. Solilóquios é o que sei fazer. Mas recomecemos, recomecemos até tudo ficar como a gente quer.

        Estava um dia quente de Verão, não sei a temperatura, na altura não sabia ver temperaturas, não sei se já teríamos termómetro em casa, mas a certeza de que estava um dia quente isso estava, pois desde que há memória todos os Verões são quentes, mais ou menos. Estávamos no primeiro dia do resto da minha vida.

Era tempo de renovação da esperança, como em todo o tempo em que mais uma vela se acende na vida. Mas esta não tinha chama viva , era uma chama bruxuleante que teimava em não vacilar. E essa chama tornou-se viva, pelas tagatés que o sol emanava, pelo afago que a brisa do vento trazia, pelas lágrimas que foram derramadas pelas nuvens, pela força do calor que traz a vida em si,  como uma potencial semente de centeio a germinar em terreno escabroso. Já mais tarde quando a espiga aflorou, depois de muitas noites passadas ao relento, longe da gregaridade da vida, tendo só a Lua e as estrelas como companhia, chegou a hora de ver a luz do dia. E o dia alvoreceu num mar de brumas, como se o dia fosse a noite, tendo a noite como dia. Mas o tempo não parou por haver tal choque, e a espiga deu as suas sementes que se disseminaram para o novo ano que viria inexoravelmente.     

            Passados 5 anos, caminhado por entre córregos e roças, assim se passou a segunda parte da cena. Dias mais aprazíveis se encontraram, nesta parte. Reminiscências, trazem ao de cima dias passados com o garotio, ora com uns ora com outros. Um dia com uns a guardar cabras, outro eu a guardar uma cabra, sozinho. Outro a deslizar alegremente no gelo desde manhã até já plena tarde com outros, sem almoçar - até a gente se esquecia -. No Verão aquelas idas até à ribeira tomar um banho e as escapulidas que fazia frequentemente até casa dos meus primos. Mas sempre aquele sentimento de nunca estar pleno de gregaridade.

        A terceira parte da cena leva-me à socialização. Mais 5 anos desde então, tudo corria de vento em popa, lá de burro eu não tinha nada! E nesta fase passaram 8 anos. Todo o meu mundo crescia aos poucos - O meu mundo sempre cresceu muito devagar -. Neste decurso conquistei cerca de 30 km de terreno, singrando dia após dia, em autocarros barulhentos, uns com mais lugares, outros com menos, uns mais bonitos do que outros. Vi crepúsculos do alvorecer e do anoitecer, vezes sem conta. Vi geadas e neve a cobrir os campos, vi-os a esverdear e florir. Tudo fluía suavemente. Sonhava com os dias de neve em que tinha que ficar em casa e não ir para aquela rotina que era a escola. E parece mesmo que era fruto do desejo, em tempo propício, aquela neve que vinha, cobrir alvarmente os campos e extasiar a alma trazendo a calma. Mas também me lembro de sentimentos maus que me vinham povoar a alma taciturna. Do fundo do âmago vinham-me emoções desmedidas que eu não conseguia compreender - Relembro-me agora que a primeira fase foi infrutífera socialmente. Aquele vazio que me arde constantemente nas vísceras -. O isolamento ia galopando, a minha vida era escola e casa, apesar daquele manancial teórico que tinha da vida, faltava-me o expediente prático. E foi no culminar desta fase que tudo passou a ser menos risonho. O medo de encarar a vida, isto é, as pessoas, surgiu. E procurando colmatar esta sensação de vazio, esta confusão de não compreender, eu procurava compreender e comecei a correr - a fugir direi eu agora -, distanciando-me cada vez mais de mim próprio. Chamei por alguém no vácuo da noite e nem o eco consegui ouvir para me alentar. Refugiei-me nas bebidas inebriantes onde tudo tentava esquecer, tudo o que sofria, mas acabei por começar a esquecer os bons e os maus momentos. Isto na fase de transição para a 4ª parte da cena.

Nesta parte tudo é sensabor. A noite como refúgio e o dia como pranto, onde a alma anda a monte,  já faz muito tempo. Pouco há para dizer. Resta repetir que fugir é o mote que me faz mover, distanciando-me cada vez mais de mim, devagarinho. Fujo de mim, não encontrando ninguém que me dê a mão. Quando ma estendem recuso-a, porque não acredito na boa vontade dos homens - Mas ao dizer isto nego a faceta positiva que está em marcha. Fui eu que me meti nisto, sou eu que vou ter que sair disto, devagarinho, tendo sonhos cor-de-rosa pela frente, para ser mais fácil -.

Dias [24-01-01]

Dia não são dias, diz-se . Hora não são horas e minuto não são minutos, digo. A perda de um segundo prolonga-se por tempo indefinido consoante a perda for grande ou pequena. O que passou, passou. Deverá pelo menos ser assim. A dor tem que passar mais cedo ou mais tarde. E diz-se ainda que o pouco espanta e o  muito quebranta. Tudo passa mais tarde ou mais cedo nem que os dias pareçam anos, da melhor ou da pior maneira, ou  melhor o pior nem chegará a existir, existe apenas o menos bom, a que chamamos “pior”. Seja como for a relatividade de Einstein estará sempre em voga, para mim, eu que agora estou bem para num momento a seguir estar menos bem e dizer que estou pior. Os dias passarão...

Josh Groban - You Are Loved (Don't Give Up)

 

 

 

Don't give up
It's just the weight of the world
When your heart's heavy
I...I will lift it for you

Don't give up
Because you want to be heard
If silence keeps you
I...I will break it for you

Everybody wants to be understood
Well I can hear you
Everybody wants to be loved
Don't give up
Because you are loved

Don't give up
It's just the hurt that you hide
When you're lost inside
I...I'll be there to find you

Don't give up
Because you want to burn bright
If darkness blinds you
I...I will shine to guide you

Everybody wants to be understood
Well I can hear you
Everybody wants to be loved
Don't give up
Because you are loved
You are loved

Don't give up
It's just the weight of the world
You are loved

Don't give up
Everyone needs to be heard
You are loved

 

 

youtube:    

 

caminhando

    Falo para ti, humanidade, que caminhas por veredas, nas íngremes encostas que te abordam, de um lado o apoio que te segura para a vida, no outro o encontro com o abismo. Mas esse é o teu caminho, essa é a tua senda nessa ladeira sem fim à vista. E não és única, todos temos o nosso trilho. Há que seguir, não há volta a dar, segue o que sentes, conhece-te a ti própria, vai de encontro ao que te espera, o cume da vida, aquele que será o sítio onde irás repousar ou … desiste e o outro lado irás encontrar. Eu conheço-te, mesmo tendo visto tão pouco de ti, talvez mesmo já as estrelas te conhecessem antes de tu as conseguires vislumbrar. Sei que não irás ter medo do nevoeiro que te envolverá, da chuva que fará deslizar as terras e te provocará, para a morte que do outro lado está. A fuga é tão fácil, a escalada é tão difícil... Atalhos se encontrarão certamente, nessa marcha ousada de se efectuar, e dias de sol a brilhar, com temperaturas amenas no ar. Sem esquecer: há que saber aproveitar, levar o brilho e recordar, as palavras daquele astro, que do infinito nos ilumina irradiando as suas múltiplas cores todas juntas numa só, a cor que te irá salvar, o alvo, que tão pouco existe…mas ele está lá. Tão certo como eu estar aqui agora, como estas palavras que nada dizem a quem nada quer entender, só com o fim de preencher o caos que afinal está em equilíbrio. Encontra o teu, não olhes para trás nem para baixo, soergue – te até não mais poder, felicidade ainda vais ter, só tu irás ver.

ImTranslator - Tradutor (extensão para Firefox e Chrome) - Translator (extension for Firefox and Chrome)

Firefox: Firefox Extension Chrome: Chrome Extension

Pesquisar

 

Player de Musica com Lista

Como Melhorar performance do blog ! - Blog best performance, how to Do It ! How to TRANSLATE!

Este Blog não contem malware, apenas contadores de analytics pelo que funcionará 100% perfeitamente em qualquer browser que não contenha bloqueadores. Apesar da atualização do Blog e da sua melhor compatibilidade com todos os browsers, tenham atenção às opções de configuração, caso tenham extras como No script, ghostery, Adblock ou outros deste tipo, o ideal é permitir tudo na página. FOR TRANSLATION INSTALL ---> ImTranslator: For other languages to translate, for firefox and Chrome and Opera, use the extra/addon ''ImTranslator''; Se querem ver a página com DARK MODE usem o extra/addon: ''Dark Background and Light Text'' disponivel para Firefox e Chrome. Ativem também o MODO DARK dos BROWSERS

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

DOWNLOAD DO BLOG

Façam o download dos conteudos do Blog em formato xml, incorporado em .zip Atualizado até 18 de Maio de 2021: https://drive.google.com/file/d/11wzX0OvyufoxKh0wV7YX04dJTrHF9f-8/view?usp=sharing

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D

Mais sobre mim

foto do autor

G

Calendário

Outubro 2007

D S T Q Q S S
123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031

subscrever feeds